06 março 2010


“Humildade

Senhor, fazei com que eu aceite
minha pobreza tal como sempre foi.

Que não sinta o que não tenho.
Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou.

Dai, Senhor, que minha humildade
seja como a chuva desejada
caindo mansa,
longa noite escura
numa terra sedenta
e num telhado velho.

Que eu possa agradecer a Vós,
minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa.”

CORA CORALINA

Fonte: www.pensador.info/cora_coralina_poema_mulher/


MÃES...#52SEMANASDEGRATIDÃO

O MUNDO QUERIA QUE AS MÃES FOSSEM ETERNAS, ETERNAS PARA AMAR, PARA CUIDAR, PARA PROTEGER SUAS CRIAS, SEUS FILHOS, MAS DEUS EM SUA I...