22 setembro 2009

O FOGO QUE NA BRANDA CERA ARDIA


O fogo que na branda cera ardia,
Vendo o rosto gentil que na alma vejo.
Se acendeu de outro fogo do desejo,
Por alcançar a luz que vence o dia.

Como de dois ardores se incendia,
Da grande impaciência fez despejo,
E, remetendo com furor sobejo,
Vos foi beijar na parte onde se via.

Ditosa aquela flama, que se atreve
Apagar seus ardores e tormentos
Na vista do que o mundo tremer deve!

Namoram-se, Senhora, os Elementos
De vós, e queima o fogo aquela nave.
Que queima corações e pensamentos.

LUIZ VAZ DE CAMÕES

E PENSAR QUE...

E pensar que um dia eu acreditei que era possível que você me aceitasse, não como mãe, pois que já tinhas uma... Talvez como amiga,...